Estudo da Maturidade de Projetos na Cooperação Universidade-Empresas Farmacêuticas

Monique Barrenha, Vania Passarini Takahashi

Resumo


As relações entre universidades e empresas possibilitam a melhor difusão e transferência de novos conhecimentos e tecnologia, além de promover a criação de empregos e aumento de renda. Para ocorrer uma transferência de conhecimento de tecnologia entre universidade e empresa, deve haver uma série de compatibilidades entre as duas instituições. Antes, eles devem ter um mínimo de maturidade em gerenciamento de um projeto dessa natureza, pois se busca minimizar riscos e cumprir prazos. O estudo objetivou analisar fatores que influenciam a maturidade do gerenciamento de projetos de transferência de tecnologia no âmbito da cooperação universidade-empresa. Para isso, foi aplicado o modelo setorial de maturidade de gestão de projetos de Prado - MMGP, adaptado a projetos de transferência. Consiste em pesquisa de natureza descritiva-exploratória, que fez o uso de estudos de casos. Os casos estudados envolveram projetos de transferência de tecnologia feitos entre empresas farmacêuticas nacionais e universidades brasileiras; os resultados apontam que a falta de investimentos em treinamentos internos, o não alinhamento dos projetos de transferência aos negócios da empresa e o atraso de conscientização da importância de gerenciar um projeto podem ser nocivos à evolução do nível de maturidade do gerenciamento dos projetos das empresas e, como consequência, prejudicar sua capacidade de inovação e competitividade.

Palavras-chave


Project Management; Project Management Maturity; Technology Transfer; University- Enterprise Cooperation

Texto completo:

PDF

Referências


Chesbrough, W. H. and Crowther K. A. (2006). Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. R&D Management, 36(3), 229-235.

http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-9310.2006.00428.x

Dinsmore, P. C. e Silveira, F. H. Neto. (2004). Gerenciamento de projetos: como gerenciar seu projeto com qualidade, dentro de prazos e custos previstos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Gido, J. e Clements, J. (2007). Gestão de projetos. São Paulo: Thomson Learning.

Koch, G. e Knoepfel, H. (2008, abril/maio). Os diferenciais do referencial de competências IPMA versão 3.0. Revista Mundo Project Management, 20, 50-57.

Patah, L. e Carvalho, M. (2002, outubro). Estruturas de gerenciamento de projetos e competências em equipes de projetos. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Curitiba, PR, Brasil, 23-25.

Pio, M. J.; Braga Júnior, E. e Antunes, A. M. S. (2009). O processo de transferência de tecnologia na indústria têxtil. Journal of Technology Management and Innovation, 4(1), 125-133.

PMI - Project Management Institute. (2003). Organizational Project Management Maturity Model (OPM3). (pp. 3-129). Knowledge Foundation, Newtown Square, PA, USA: Project Management Institute.

Póvoa, L. M. C. (2008). A crescente importância das universidades e institutos públicos de pesquisa no processo de catching-up tecnológico. Revista de Economia Contemporânea, 12(2), 273-300.

Prado, D. (2004). Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima, MG: INDG Tecnologia e Serviços Ltda.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional