Proposição de um Artefato para Formação de Preço de Projetos Por MPEs: O Uso da Abordagem Design Science

Marco Antonio Conejero, Eduardo Roque Mangini, Alequexandre Galvez Andrade, Felipe Souza Pacheco

Resumo


A motivação deste trabalho está relacionada à identificação da grande demanda por parte das micro e pequenas empresas (MPEs) em aplicar técnicas e métodos para a realização da formação de preços de projetos de bens e serviços, ou do chamado pacote de solução completa ou solução “turn-key”. Costumeiramente essas empresas utilizam métodos inadequados e empíricos e acabam por não adotar técnicas e conceitos corretos frente à criticidade e relevância estratégica da formação de preço. O objetivo deste artigo é desenvolver um artefato (software) para formação de preço direcionado as necessidades das MPEs que trabalham dentro do contexto de projetos, facilitando a gestão de itens de custo, cenários de incerteza e risco, condições tributárias diversas entre outras variáveis. Para a elaboração desse trabalho foi adotado o método Design Science, aliado a revisão da literatura abrangendo conceitos chaves como: posicionamento de preço, métodos de formação de preço e o uso do mark-up, e cenários e gestão de risco em projetos. Para a validação do trabalho e do artefato foi realizado um experimento prático envolvendo a utilização do artefato pelo público alvo, sendo aplicado um questionário com escala Likert para avaliação da percepção dos usuários. Como resultado foi possível observar que o artefato foi validado no ambiente de teste, sendo aprovado por usuários chaves conforme aplicação de questionário, e entrevista de avaliação da percepção geral do usuário. A validação geral do artefato seguiu os conceitos de qualidade de software conforme modelo de avaliação estabelecido na NBR ISO/IEC 9126.


Palavras-chave


Formação de preço; Projetos; Artefato; MPEs.

Texto completo:

PDF

Referências


Aken, J.E.V. (2005) Management Research as a Design Science: Articulating the Research Products of Mode 2 Knowledge Production in Management. British Journal of Management, 16 (1), 19-36.

Balarine, O. F. O. (2004). Tópicos de matemática financeira e engenharia econômica. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Baquero, M. G. (1974). Testes Psicométricos e Projetivos: Medidas Psicoeducativas. São Paulo: Loyola

Blanning, R. W.; Reining, B. A. (1998) Building Scenarios for Hong Kong Using EMS. Long Rang Planning, 31 (6), 900-910.

Boisvert, H. (1999). Contabilidade por Atividades. São Paulo: Atlas

BRASIL. Lei 6.404 de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Disponível em: , acesso em 05 de maio de 2017.

Cogan, S. (1999). Custos e Preços: Formação e Análise. São Paulo: Pioneira.

Coelho, F. S. (2009). Formação Estratégia de Precificação: como maximizar o resultado das empresas. São Paulo: Atlas.

Davis, J. (1991) Levantamento de dados em sociologia. Rio de Janeiro: Zhar.

Dresch, A.; Lacerda, D. P; Antunes Jr., J. A. V. (2015) Desing Science Research: método de pesquisa para avanço da Ciência e Tecnologia. Porto Alegre: Bookman.

Garrison, R.H.; Noreen, E. W. (2001). Contabilidade Gerencial. 9 Ed. Rio de Janeiro: LTC

Hevner, A.R.; March, S.T.; Park, J. & Ram, S. (2004). Design Science in Information Systems Research. Mis Quarterly, 28 (1), 75-105.

Hinterhuber, A.; & Bertini, M. (2011). Profiting When Customers Choose Value Over Price. Business Strategy Review, 22 (1), 46-49.

Kaplan, R. S. ; Atkinson, A.; Young, S. M. ; Banker, R. D. (2000). Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas.Kaplan, R. S.; Anderson, S. R. (2007). Custeio baseado em atividade e tempo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall.

Le Moigne, J. (1994) O Construtivismo dos Fundamentos, Vol 1. Lisboa: Instituto Piaget.

Nan, N., & Johnston, E. W. (2009). Using multi-agent simulation to explore the contribution of facilitation to GSS transition. Journal of the Association for Information Systems, 10(3), 252-278.

Sanches, C.; Meireles M.; & De Sordi, J. O. (2011). Análise Qualitativa Por Meio da Lógica Paraconsistente: método de Interpretação e Síntese de Informação obtida Por Escalas Likert. In: ENEPQ - III Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. João Pessoa, PB. nov. 2011. 17 p. Disponível em: Acesso em: 11/11/2015.

Sanches, C.; Marietto, M. L.; & Paixão, M. R. (2011). Desenvolvimento e validação de questionário multidimensional, por meio de lógica paraconsistente, para medir a práxis de gestão de responsabilidade sócio ambiental. In: SIMPOI, Simpósio de Administração da Produção, Logística, e Operações Internacionais, 2011, São Paulo. Anais. São Paulo: Depto. De Administração da Produção e de Operações da FGV-EAESP, 2011.

Scarpin, J. E. (2000). Target costing e sua utilização como mecanismo de formação de preço para novos produtos.173f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Controladoria) – Programa de Pós-Graduação em Contabilidade e Controladoria, Universidade Norte do Paraná, Londrina.

Schier, C. U. C. (2006). Gestão de Custos. Curitiba: Ibpex.

Silva Filho, J. I. (1999) Métodos de Aplicações da Lógica Paraconsistente Anotada de anotação com dois Valores-LPA2v com Construação de Algoritmo e Implementação de Circuitos Eletrônicos. Dissertação Doutorado em Engenharia. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 250 p.

Simon, H. A. (1996). The Sciences of the Artificial. 3. ed. USA: MIT Press.

Van Notten, P. (2006). Scenario development: a typology of approaches. In Centre for Educational Research and Innovation (Org.), Think scenarios, rethink education (pp. 69-92). Paris: OECD.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional