Educação a Distância: Contribuições da Modalidade para uma Qualificação Empreendedora

Ricardo Arruda Mauro, Rodrigo Augusto de Freitas, Janaína Florinda Ferri Cintrão, Zildo Gallo

Resumo


O Brasil enfrenta inúmeras dificuldades no seu desenvolvimento relacionadas às questões sociais ligadas à fragilidade do processo educacional. O Empreendedorismo, além de cooperar para a promoção do crescimento econômico e da diminuição das desigualdades sociais, também ajuda na melhoria da qualidade de vida da população por meio do aumento da empregabilidade e de uma melhor distribuição de renda. A Educação a Distância (EaD) é uma modalidade formativa tornando-se cada vez mais um instrumento funda­mental na ascensão de oportunidades para muitas pessoas. Assim sendo, acredita-se que ela demonstra ser uma modalidade de ensino que se ajusta às necessidades brasileiras, pois além de minimizar as distâncias, os isolamentos geográficos e as desigualdades sociais, pode também suprir a carência de formação educacional da população do país. O objetivo deste artigo é avaliar como o Capital Humano dos egressos qualificados pela EaD proporciona uma maior capacidade para exercer atividades empreendedoras a partir de uma pesquisa de campo realizada com alunos egressos dos cursos de Pós-Graduação Lato Sensu de uma instituição de ensino superior privada do interior do Estado de São Paulo. Os sujeitos da pesquisa foram 712 alunos egressos dos 190 cursos de Pós-graduação Lato Sensu – Nível de Especialização da instituição de ensino na modalidade à distância, concluintes no período de 2011 até maio de 2016. Os resultados coletados permitiram concluir que a EaD contribui para que o indivíduo, após capacitado por esta modalidade, se torne um profissional participativo na criação de soluções estratégicas para os problemas e necessidades da sociedade.


Palavras-chave


Capital Humano; Empreendedorismo; Educação a Distância.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. E. B. (2003). Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 29, n. 2. Disponível em . Acesso em 25.fev.2015.

Alves, L. (2011). Educação a distância: Conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v.10, p. 83-92.

ANPROTEC (2004). Agendas das cidades empreendedoras e inovadoras. Disponível em . Acesso em: 20. out. 2015.

Baggio, A. F. & Baggio, D. K. Empreendedorismo: Conceitos e definições. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, Passo Fundo, v. 1, n. 1, p. 25-38, jan. 2015. ISSN 2359-3539. Disponível em: . Acesso em: 06 dez. 2017.

Barreto, L. P. (1998). Educação para o Empreendedorismo. Salvador: Escola de Administração de Empresa da Universidade Católica de Salvador.

Barros, R. P. & Mendonça, R. (1997). Investimento em Educação e Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: IPEA.

Carvalho, A. C. M. & Souza, L. P. (1999). Ativos intangíveis ou capital intelectual: discussões da contradição na literatura e proposta para sua avaliação. Prescpect. Cienc. Inf., Belo Horizonte, v.4, n.1, p.73-83,jan./jun.

Chiavenato, I. (2004). Empreendedorismo: Dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva.

Degen, R. J. (2009). O empreendedor: empreender como opção de carreira. São Paulo. Pearson Prentice-Hall do Brasil.

Dolabela, F. (1999). Oficina do empreendedor. 6. ed. São Paulo: Editora de Cultura.

Dolabela, F. (2003). Pedagogia empreendedora: O ensino do Empreendedorismo na Educação básica, voltado para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora de Cultura.

Dolabela, F. (2008). O segredo de Luísa. Rio de Janeiro: Sextante.

Dornelas, J. C. A. (2001). Em Negócio, Empreendedorismo Transformando Ideias. Rio de Janeiro: Campus.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Drucker, P. F. (1987). Inovação e Espírito Empreendedor: Práticas e Princípios. São Paulo: Pioneiro.

Ferreira, A. A. & Reis, A.C. F. & Pereira, M. I. (2002). Gestão Empresarial: De Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira Thomson Learnig.

Figueiredo, M. & Rosini, A. (2017). A Educação a distância. Desafios para a qualidade. Disponível em . Acesso em 20. mai. 2017.

Freitas, K. S. (2005). Um panorama geral sobre a história do ensino a distância. In: Araújo, B. (org) (2005). Educação a distância no contexto brasileiro: Algumas experiências da UFBA. PROGED: Universidade Federal da Bahia.

Freitas, R.A. (2017). A Contribuição da Educação a Distância para a Formação Profissional. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente) – Universidade de Araraquara – UNIARA, Araraquara, São Paulo.

Frigotto, G. (2000). Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez.

Gomes, A. F. (2011). O Empreendedorismo como uma alavanca para o desenvolvimento local. REA-Revista Eletrônica de Administração, v. 4, n. 2. Disponível em: < http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/%20rea/article/view/192>. Acesso em 10. nov. 2016.

Gonçalves, M. A. (2000). Empreendedorismo em Portugal: Tipificação das Empresas e perfil Empreendedores. Dissertação (Mestrado em Economia Financeira). Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, Lisboa, Portugal.

Guerra, M. J. & Grazziotin, Z. J. (2010). Educação empreendedora nas universidades brasileiras. In: LOPES, R. M. A. (Orga.) (2010). Educação empreendedora: Conceitos, modelos e práticas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Hisrich, R. D. & Peter, M. P. (2004). Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

IBGE. (2010). Censo Demográfico - 2015. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em . Acesso em: 20. out. 2015.

Inácio, S. R. L. (2015). Capital Intelectual: uma vantagem Competitiva. Disponível em: . Acesso em 3. ago. 2015.

Landim, C. M. F. (1997). Educação a distância: Algumas considerações. Rio de Janeiro.

Luckesi, C. C. (2001). Democratização da Educação: Ensino a distância como alternativa. In: LOBO NETO, F. J. S. (org.) (2001). Educação a distância: Referências e trajetórias. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Tecnologia Educacional – ABT.

Mamede, R. R. (2005). Educação em Empreendedorismo como fator de desenvolvimento econômico: uma proposta para o município de Campo Grande-MS. In: Conferência de Investigación em Entrepreneurship em Latino América. Santiago de Cali. Anais. Colômbia. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

Martins, H. G. (2007). O processo de ensino-aprendizagem mediado pelos recursos da EaD nas universidades corporativas. In: RICARDO, E. J. (Org.) (2007). Gestão da Educação Corporativa. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Mauro, R.A. (2011). Projeto e Desenvolvimento de Cursos a Distância: Uma Reflexão Teórico-Prática. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro Universitário de Araraquara – UNIARA, Araraquara, São Paulo.

Moran, J. M. (2009). Aperfeiçoando os modelos de EaD existentes na formação de professores. Educação, v. 32, n. 3, p. 286-290. Porto Alegre, set.-dez.

Moran, J. M. (2014). Educação a Distância no Brasil- situação e perspectivas. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2015..

Moran, J. M. (2015). O que é Educação a distância. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2015.

Moura, A. H. (2017). Os ativos intangíveis e o capital intelectual. Disponível em: . Acesso em 11. jun. 2017.

Nicolaio, K. & Miguel, L. A. (2010). Democratização do ensino por meio da Educação a distância. Revista Intersaberes, v.5, n. 9, p. 68-91, jan/jun.

Niskier, A. (2000). Educação a Distância: A tecnologia da esperança. SP. Loyola.

Pedrosa, R. H. L. (2013). A universidade e a inclusão social. São Paulo: Rev. Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. v. 16, n. 1. Disponível em: . Acesso em: 25. fev. 2015.

Sanches, D. M. (2012). Empreendedorismo e Desenvolvimento Local: Um estudo de caso entre os Jovens do Concelho de S. Miguel. Monografia. (Licenciatura em Ciências Empresariais e Organizacionais: Contabilidade). Universidade de Cabo Verde. Praia, Cabo Verde.

Sarkar, S. (2008). O empreendedor inovador: Faça diferente e conquiste seu espaço no mercado. Rio de Janeiro: Elsevier.

Schultz, T. (1964). O Valor Econômico da Educação. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Schumpeter, J. A. (1991). A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Nova Cultura.

Silva, S. S. B. (2008). Capital Humano e capital social: Construir capacidades para o desenvolvimento dos territórios. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana). Universidade de Lisboa. Lisboa, Portugal.

Souza, M. F. G.; Nunes, I. B. (2000). Fundamentos da Educação a distância. Brasília: SESI.

Struchiner, M, & Gianella, T. (2005) Educação a distância. In: Struchiner M, Gianella T. (orgs) (2005). Aprendizagem e prática docente na área da saúde: Conceitos, paradigmas e inovações. Washington: OPAS.

Wernke, R. & Lembeck, M & Bornia, A. C. (2003). As Considerações e comentário acerca do capital intelectual. Revista da FAE. Curitiba, v. 6, n. 1, p. 15-26, jan./abr.

Yin, R. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman; 2001.

Zafalon, A & Duarte, M. & Rodrigues, A. (2006). A importância do capital humano nas empresas. (orgs) (2006). Monografia (Pós-Graduação em Gestão de Pessoas) – Universidade Estadual de Maringá. Maringá, Paraná.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional